quarta-feira, 8 de maio de 2013

Toda uma Festa de Psicopatas


Primeiro preciso explicar que essa falta de cultura pop no blog se deve à falta de cultura pop na minha própria vida. Tá tudo ou muito erudito (ninguém curtiria um post sobre Almeida Garrett) ou muito esculhambado (ninguém curtiria um post sobre Justin Bieber), então não estou conseguindo me dedicar às coisas verdadeiramente boas, que ficam justamente nesse limiar entre a erudição e a vergonha.

Não sei vocês, mas eu continuo não dando a mínima e vendo mais séries do que deveria. As últimas adicionadas à minha watchlist são, curiosamente, duas produções derivadas do cinema. Mais ainda, são séries focadas em dois dos maiores vilões da história: o esquizofrênico de Psicose e o canibal de O Silêncio dos Inocentes.


Bates Motel é uma coisa divertidíssima. Vocês deveriam. Porque não é aquele tipo de série realista, madura e classuda onde nada acontece, que tem se tornado uma praga na televisão americana. Não. Bates Motel é quase brega. Cheia das frases de efeito, cenas um pouco absurdas e exageros aqui e ali. Então, por que diabos? Uai... Porque tem Norman Bates com 16 anos. E esse menino, Freddie Highmore (de Em Busca da Terra do Nunca, O Som do Coração, A Fantástica Fábrica de Tim Burton, etc), é bastante competente. Ele cria um personagem bonzinho e afetado por quem a gente consegue torcer desde o primeiro episódio. Fica muito difícil lembrar que é o mesmo Norman que, alguns anos mais tarde, estará esfaqueando toda a clientela do hotel no chuveiro. Até que de repente não fica mais tão difícil assim lembrar e as coisas se tornam bem mais interessantes.

Mas apesar do 9nho mandar bem, quem rouba a cena é dona Vera Farmiga (a mãe psicopata e, consequentemente, responsável pela doença do filho), que tá naquela idade (da loba?) maravilhosa e carrega as melhores cenas da série nas costas. Não sei se Bates Motel tem chances de ganhar algum prêmio (porque me parece que os prêmios de TV se acham muito descolados, quando, na verdade, estão cada vez mais parecidos com os Oscars), mas se rolar algum, não tenho dúvidas de que será pra ela. Além desse elenco lindo, Bates Motel ainda conta com uma das coisas mais importantes pra mim numa série de TV: não tem medo de andar com a história. As coisas realmente acontecem (alô Game of Thrones). Cada episódio avança quilômetros no enredo: resolve conflitos, introduz novos, mata gente, revela segredos e parece que, mesmo assim, continua sabendo exatamente aonde quer chegar.


Hannibal vocês podem assistir sem medo da cafonice. Muito pelo contrário, tenham medo de morrer de estética. É tão violento e poético que a gente acaba perdendo o fôlego diversas vezes por episódio. Porque tá tudo lindo e realista quando, de repente, um alce gigantesco atravessa o corredor do hospital. Ou cogumelos são encontrados brotando em cadáveres. Pra quem curte séries com o visual deslumbrante, essa é, sem dúvidas um prato cheio (pra quem curte carne humana também, sic).

O Dr. Lecter é interpretado por um ator dinamarquês chamado Mads Mikkelsen (nossa, que cara bom!), que ganhou o prêmio do Festival de Cannes do ano passado e, com isso, tornou-se apto a ocupar o lugar que já foi de Anthony Hopkins. E ele realmente não faz feio. Ainda não conseguiu me assustar (só assisti três, dos seis episódios disponíveis), mas já mostrou que quando o susto vier, vai ser bem grande. Só que Hannibal Lecter nem é o protagonista da série. A Clarice da vez é Will Grahan (Hugh Dancy), um investigador talentoso que adota cãezinhos indefesos e usa uma técnica de dedução quase sobrenatural. O problema é que ele tem o psicológico um pouco fraco (além de um leve sabor agridoce, quando refogado na temperatura correta).

8 comentários:

Bruno Medeiros disse...

Achei Hannibal interessante, mas te confesso: odeio séries. A única que sigo é Bones (isto é, olha uma vez ao mês). O resto me cansa, me adormece e, depois de uns bons goles de... chá, eu durmo.

E sobre a tua afirmação difamatória: eu curtiria qualquer post cujo conteúdo melhor te descrevesse!

Abraços!

Felipe Fagundes disse...

E eu que achei que fosse um post sobre The Following?

Fabiana C. disse...

Sempre penso: 'Que merda eu não assisitr séries!'. Quando eu tinha internet boa pra baixar, a preguiça me dominava, agora sem chances. Então, posso dizer que sou centenas de vezes mais pobre de cultura POP. Ainda assim, não sei se escolheria essas, não curto climas sombrios, psicopatia, essas coisinhas. :)

Ana Clara disse...

"coisas verdadeiramente boas, que ficam justamente nesse limiar entre a erudição e a vergonha."

Melhor definição não há.

Paloma disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Paloma disse...

Gostei do argumento da Bates Motel, e adoro o Freddie. Pena que tenho preguiça de séries e muito pouco tempo disponível. Mas não custa guardar a dica.

Juliana disse...

Hannibal tá bem legal mesmo, há uma certa poesia nos casos que introduz um clima muito bom na série. Só que eu acho que a série nao está explorando tão bem a personalidade dos personagens. Talvez seja proposital, mas eu não consigo enxergá-lo de fato. Parece que eu sou alguém passando na rua e olhando pra eles superficialmente. Me incomoda não ver um desenvolvimento nesse sentido. ):

matheus c disse...

LINDO! adoro seu blog, você escreve muito bem e é um gato. bejão me responde por favor