segunda-feira, 5 de dezembro de 2011

O Mantra dos Bons Alunos

Minha mãe sempre ensinou que primeiro vem o dever, depois a diversão. É um princípio básico, que vence a procrastinação e coloca prioridade na vida. Inclusive, acredito que essa é a única diferença entre os bons e maus alunos. Os bons fazem a tarefa escolar antes de sair pra brincar na rua. Os maus querem a diversão primeiro e, com isso, vão deixando o dever de lado.

Hoje passei algumas horas tentando descobrir quando foi que passei de bom para mau aluno. Porque eu tenho certeza que aos 12 anos de idade eu era algo como "o melhor da turma". Posição que ocupei com vigor até, sei lá, o segundo ano do Ensino Médio. Eu lembro perfeitamente bem que minha rotina era toda construída com o estudo como prioridade. Eu almoçava, descansava por alguns minutos e ia fazer os deveres de casa. Com prazer. Depois, é claro que eu me jogava no Vale a Pena Ver de Novo ou na coleção de filmes do meu pai, mas com a consciência tranquila, por saber que todas as minhas obrigações estavam em dia.

E gente, como isso está claro pra mim agora. Essa é a fórmula da felicidade! O único jeito de estar em paz é estando em dia com as suas obrigações; o que tem sido impossível de uns tempos pra cá. Há anos que não sei o que é passar 15 minutos com a mente tranquila, sem um item da minha checklist piscando a cada segundo. Como ensinou Renato Russo, disciplina é liberdade.

Então, acho que foi mesmo no terceiro ano que o bolo começou a desandar, que comecei a perder minha liberdade. Percebi que eu poderia tirar boas  notas sem fazer as tarefas escolares. Ou que meus trabalhos não ficariam piores se fossem feitos na véspera. E esse pensamento cagou com tudo.

Hoje em dia sou um péssimo aluno. A diversão tem vindo sempre em primeiro lugar. Adotei um estilo de vida hedonístico, que não tô conseguindo manter, e as chances de me ferrar são grandes. Hoje tudo o que eu quero é voltar a fazer o dever de casa antes de sair pra brincar.

12 comentários:

Ana Lu disse...

Eu poderia ter escrito esse texto. Fiquei sem nem ter o que comentar!

Gabriela, disse...

Bom, eu ainda levo esse mantra comigo, porque só assim funciona. Não consigo pensar em me divertir sem estudar primeiro. Até porque eu não consigo me divertir se eu tenho que estudar!! Socorro :(
Essa vida de vestibulanda e universitária AO MESMO TEMPO é foda.
Adorei teu texto. :)
Beijo.

MAURÍCIO FERREIRA LEITE disse...

Filho, lembre-se sempre do que falei para você no e-mail do dia 09/11/2010: "Sua vida de sucesso no mundo está eternamente ligada à sua vida de sucesso espiritual". Aliás, sugiro que releia este e-mail.

Anônimo disse...

por mais interessante que tenha sido seu texto, e foi, o importante é que sua mãe lhe ensinou o certo e você tem consciência disso, e o seu pai, como um BOM PAI lhe da apoio e conselhos diários...valorize isto, poucos tem..;)
by: Fernanda Cardoso

Alessandra Jungs de Almeida disse...

Descrição perfeita de mim - agora no segundo ano do E.M. -, estou saindo pra brincar antes de estudar, percebi que minhas notas não diminuem e os trabalhos podem ser feitos na hora. Hhahahahaha, tenho que focar, focar!

Thiago D. disse...

Tomar "consciência de" é o primeiro passo, certo? Agora é só seguir e cumprir o que se sabe que deve cumprir.

Anna Vitória disse...

Você não vai acreditar, mas vou comentar mesmo assim: eu sou muito indisciplinada. Se consigo levar minha vida mais ou menos comodeveria é porque eu fico na escola o dia todo. E na escola, sem Facebook, novela e sofá, não me resta outra coisa que não estudar. E ainda assim eu sucumbo às tentações muitas vezes, tipo agora que resolvi que ia usar a internet por meia-horinha pra responder os comentários do blog e já tô vendo que perdi o ânimo e o foco pros estudos e já antevejo eu sair daqui e ir atrapalhar uma amiga nos estudos e ir convencer ela a ir comer batata frita comigo.
Outra técnica que funciona muito é deixar a culpa tomar conta de você. Sempre que eu saio da linha eu fico me lembrando de tudo que eu tinha que ter feito, e fico me acusando de ser culpada por um fracasso futuro e quando vejo passei o domingo estudando. É meio radical e caminho sem volta, mas situações desesperadoras pedem medidas desesperadas.
Boa sorte.

Alquimista de Sonhos disse...

Cara! Era tão bom quando eu fazia as coisas assim.
Embora tenha terminado o colegial, pretendo retomar com as prioridades na universidade.

Coragem! Retome a alegria da liberdade que tinha antes! :)

Luana Natália disse...

Para mim, a diversão nunca é completa se eu tenho alguma coisa para fazer. Espero que isso não mude nunca!

Allyne disse...

Tudo isso aconteceu comigo. A diferença é que eu retrocedi antes do autor do texto. Até a sétima série eu era "aquela" aluna. Depois...

sablofe disse...

Gabriel: eu quero ler esse email que o seu pai te mandou. E tô falando muitó sério.

Matheus Rufino disse...

Nunca fui um bom aluno. Nunca. Era do tipo que todo mundo achava que ia se ferrar no inicio do ano, e no final passava melhor que muita, gente. Claro que isso variou na minha vida estudantil, já tive períodos bem piores (como agora, no final da faculdade) e bem melhores (como em algum momento do ensino médio, rs). Mas claro que entendo o que tu diz sobre disciplina e liberdade, queria ser assim também, tento até hoje. Só nunca consegui ser regular em nada, só na minha irregularidade. [cordei mais cedo do que devia, não consegui dormir de novo e fiquei fuçando seu blog no iPod, rs]