quinta-feira, 8 de maio de 2014

Ela Anda Tão Triste


Você que achou o novo álbum da Lykke Li triste deveria segurar um pouco o choro e ouvir este Olhos de Onda, da Adriana Calcanhotto, pra aprender o que é tristeza de verdade. O disco, que saiu essa semana, é o registro da estreia de sua nova turnê aqui no Brasil (Adriana já havia estreado antes em Portugal) e consegue reunir 20 canções numa sequência que, ou te mata de poesia, ou te mata de depressão.

"Onde será que isso começa?", pergunta ela já no primeiro verso. Não sabemos se fala da dor ou do mar. Parece que as duas coisas se embrulham ao longo do show; uma tentando caber na outra. O mar de Portugal, berço da nossa língua, se esforça para falar de uma dor que, sem muito esforço, faz-se toda correnteza em busca de um oceano que lhe acalme.

Não existe banda, mas também não precisa. Adriana Calcanhotto é uma das poucas cantoras brasileiras que ainda sustentam um show inteiro só com violão e voz. A mulher toca barbaridades, canta barbaridades e deixou o cabelo crescer. Tudo parece favorecer a tristesse do espetáculo e você pode saber que depois de uma ou duas canções menos pessoais, que ela só toca pra colocar a plateia na mesma temperatura, a coisa vai começar a ficar feia. "No dia em que fui mais feliz eu vi um avião se espelhar no seu olhar até sumir", e depois disso é só ladeira abaixo.


Impossível fugir de uma interpretação vagabundinha e ignorar o fato de que as músicas do álbum parecem recriar o fim de um relacionamento. Depois de Me Dê Motivos, que ela regrava com um sofrimento muito mais elegante que o do Tim Maia, Adriana envereda por caminhos obscuros e comete um cover de Back to Black com tanta verdade e luto que até os fãs mais puristas da Amy (acreditem, eu sou um deles) ficarão sem material para o mimimi.

O clímax vem com Maldito Rádio, uma das três canções inéditas presentes no disco. "Maldito rádio / agora que parecia que eu ia / mudar de vez o curso dessa história / agora que parecia que ia ser agora / Não é momento / de reprisar canções que são só minhas / Maldito rádio, não me faça pensar nela / volte pras notícias / para o hit da nova novela...", mas parece que o rádio é tão maldito que não obedeceu. E já emendou com Devolva-Me, o carro-chefe da dor de cotovelo. É sempre ótimo ouvir aquele silêncio longo que Adriana Calcanhotto faz questão de alongar na última estrofe: "o retrato que te dei / se ainda tens, não sei / mas, se tiver... (e neste momento o público sempre enlouquece e um ou dois gritos de "devolve", "devolve!", "devolve, porra!", surgem no vácuo) ...devolva-me".

E do meio pro fim, torna-se bastante tênue a linha que separa a adoração sincera da obsessão doentia. "A uma hora dessas / por onde passará seu pensamento? / Por dentro da minha saia / ou pelo firmamento?", ela quer saber; "onde será que você está agora?", ela procura; "entre por esta porta agora e diga que me adora / você tem meia-hora pra mudar a minha vida / vem, vambora", ela convida.

E ao que tudo indica a pergunta fica mesmo sem resposta, a procura sem encontro e o convite sem destinatário.




"Depois de ter você, poetas para quê?
Os deuses, as dúvidas,
pra quê amendoeiras pelas ruas?
Para quê servem as ruas?
Depois de ter você..."

4 comentários:

Megan Concurseira disse...

Cara, fiz questão de comentar. Estava eu procurando algo referente ao Neosoro e encontrei o seu blog e aquela história toda do " pedir um autógrafo " p / médica, achei tudo muito engraçado e bem escrito, sendo escrito em 2010. Eu pensei: ah, esse blog não deve mais estar na ativa. E, pra minha surpresa, aqui ainda está você, parabéns! Dei uma olhada - por alto - no seu blog e tem coisas bem interessantes. Segue firme que, eu presumo, deve ser duro manter isso. Abraço !

Hugo Avelar disse...

Torci o nariz quando vi que ela tinha feito cover pra Back to Black, porque sou desses que acha que ninguém deveria cantar essa música, porque nunca vai conseguir cantar decentemente, mas no fim acabei ficando com raiva da Adriana, porque ela não me deu motivos suficientes pra falar mal da versão dela, porque ficou tudo tão honesto. Até o inglês macarrônico não tem como não amar.

Ah! E esse CD tá tão maravilhoso, mas tão maravilhoso que nem sei. Quero comprá-lo (ou baixá-lo, caso eu ache um link pra download rs)

Vulgo Emilie {@hisakurasan} disse...

Só por se tratar de músicas de fossa [desculpa, mas pelo que tu falas, parece], já fiquei interessada. Uma dor comum sempre pode ser compreendida

Camyli Alessandra disse...

Adriana Calcanhoto é Diva!conheço alumas musicas do estilo do CD pERFIL