quarta-feira, 6 de julho de 2011

Último Ato

Ontem terminei de ler Vergonha dos Pés, da Fernanda Young, e achei o livro muito inconstante. Alguns parágrafos são excelentes, enquanto outros parecem ter sido tirados do diário de uma pré-adolescente. A gente acaba se identificando com a protagonista, porque a Fernanda Young não tem medo de expor suas fraquezas. E eu acho que a gente tem muito mais fraqueza que virtude, então é bom ler alguém externalizando esse tipo de coisa (por isso o blog da Patrícia tem mais de mil seguidores, por exemplo).

Escolhi um trecho de extrema sinceridade, embora um pouco lugar comum, pra compartilhar com vocês. É uma carta que Ana, a protagonista, escreve pro ex-marido. E não sei por que, mas alguma coisa acontece quando as relações amorosas acabam que a gente não tem medo de parecer fraco. É como se a peça, finalmente, chegasse ao fim.

"Sou uma pessoa solitária. Mesmo acompanhada, sinto-me só. É de minha natureza, não sei que espírito ruim me possui, ou quais os males estou pagando, só sei que não consigo viver feliz. E nem mais quero, pois sinto-me totalmente despreparada e sem talento para a paz. O que tenho é tédio, tédio de tudo e tudo mais. Quero dormir, mas não consigo. Quero levantar-me e andar léguas, mas um sono incontrolável se apodera de mim. Sou assim. Uma pessoa que, por algum motivo misterioso, aprendeu a sofrer e, gostando ou não, viverá sempre assim: sofrendo. Nenhum motivo mais será necessário, nenhuma dor, nenhuma perda. Apenas o dormir ou o não dormir, o acordar e o nada a fazer, além de ficar na casa pensando sobre os meus pés e os pés de toda humanidade. Eu, que nenhum talento possuo, que passarei pela vida sem ter cometido uma grande obra. Sem ser herói ou assassino. Passarei pelo mundo como milhões que já passaram, os bilhões e trilhões de desconhecidos que não tiveram nada para deixar pro futuro."

5 comentários:

Gab disse...

Ah me deu vontade de ler esse livro. Gosto muito da Fernanda Young.
Beijo. (:

Deyse Batista disse...

Não tenho muita moral pra falar da Young porque o único livro deli que li foi O Pau e, cá entre nós, não é exatamente maravilhoso. Mas acho que já é a segunda vez que vejo um post seu sobre ela e está realmente me dando vontade de dar outra chance a ela, principalmente em relação a essa último livro.

sobrefatalismos disse...

Gabriel, já li esse livro da Fernanda (que, futuramente, terá seu título em um post meu). Gostei bastante. Foi o primeiro livro que ela publicou, é mesmo um tanto quanto adolescente, mas a trama compensa.
Beijos.

gabs. disse...

Então, dica de livro para as minhas férias (:

Matheus Rufino disse...

Não tenho intenção nenhuma de dar uma chance pra moça, o número de livros que me espera em casa para serem lidos mais os outros tantos que desejo ler e não possuo é inflado demais pra querer dar chance pra alguém que nunca me conveceu realmente. Mas achei esse trecho muito interessante.