terça-feira, 3 de maio de 2011

Tá no inferno...


Eu tenho essa tendência de deixar tudo um pouco pior do que já está. Porque preciso de um argumento que justifique meu desânimo. É inconsciente. Crio uma lista mental de pelo menos 10 coisas que eu possa usar a meu favor na hora de uma discussão. 10 coisas que, na minha boca, parecem realmente terríveis e cruéis, mas que na verdade todo ser humano normal consegue superar com uma mão nas costas.

Por exemplo, eu preciso acordar cedo e ir de ônibus pro cursinho. Coisa normal, que mais da metade da população brasileira faz desde que nasceu. Mas se eu te contar isso, usando todo o meu vocabulário dramático e minhas hipérboles sutilmente bem colocadas, você é capaz de chorar de pena (ou me dar um carro no dia seguinte). E o pior é que eu internalizo o argumento. Acredito nele, fico nele e a gente vai convivendo, de mãos dadas.

Sou completamente a favor do nosso direito de sofrer por bobagem. Se a sua internet saiu do ar, você tem sim o direito de chorar por isso. A internet é sua, as lágrimas são suas e só você pode definir o preço delas. Não dá pra ser Poliana o tempo todo. Sempre alguém vai estar passando fome, morrendo, perdendo braços e pernas... O que não te impede de ficar de mau humor por ter acordado com o cabelo feio. Mas às vezes a gente precisa parar de birra e enfrentar as coisas feito gente grande. E já que não adianta remoer um problema sem solução, vamos todos engolir o choro e abraçar o capeta.

PS: A foto é do Tumblr Sun-Shower.

10 comentários:

Manuel disse...

#cmsofre feelings
http://classemediasofre.tumblr.com/

Ed Virgionio disse...

Biloca, meu garoto !!!!
Como é que alguém com 19 aninhos pode falar em sofrimento...
Cai na real!!?? Vai pra rua, olha o Sol brilhando, o vento soprando os dia passando...(rsrsr) Dá um sorriso e procure se divertir, rapaz !!!
Só você sabe quais são suas necessidades, use a imaginação...
Vou arriscar dizer que seu problema é sexual... Nada que uma boa "trepada" não resolva.
Abração

Sofia A. disse...

Gabriel,
engraçado que ando pensando muito nisso... sou mestre em sofrer por bobagens.
Não é que seja errado, concordo com você, acho que é um direito que a gente pode se dar às vezes, mas em algum momento é preciso parar, abrir o peito, ligar o foda-se e ser um pouco mais feliz.
Hoje mesmo estou aqui de pijama enquanto deveria estar estudando. Não sem uma imensa dose de culpa... essa vida de pré-vestibulanda! ha!
Um beijo!

Ana Lu disse...

Ei Gabriel =]
Eu falei sobre isso outro dia, e também vivo pensando em como eu me convenço de que estou sofrendo, haha. Mas realmente, temos o direito de sofrer por coisas pequenas, o sofrimento é nosso!
hahaha
Beijos!

Minne disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Minne disse...

Céus, olha eu ali nas palavras. Vivo reclamando. Me xingo psicologicamente por isso sim, às vezes, porque sei que tem muita gente que sofre demais nessa vida e não tem as oportunidades que eu tive. Até me digo que vou pagar por isso futuramente,e bem, a nostalgia também está aqui para isso, mas é inevitável. Faço drama sim, reclamo sim e esse é meu jeito de ir vivendo. Largo uns sorrisos aqui, esbanjo felicidade ali e depois choro minhas pitangas. Sabe quando você lembra que tem aquela prova de matemática dos infernos no dia seguinte e ai começa a dar uma palestra de como sua vida tá monótona e de como a escola está sugando todo o seu tempo e neurônios ? Pois é.

Isadora disse...

Esse é meu papel de parede. Em casa e no trabalho. E vai virar tatuagem.

Essa sou eu.

Luciana Pacheco disse...

Bom discordando um pouquito do tio Ed aí, acho que idade nem sempre quer dizer maturidade, mas ainda assim de fato interfere em mts de nossas vivências, mas no sofrimento não sei...acho q nao tem idade nao, mas sem dúvida, como quase tudo na vida, é uma questão de parâmetro...nao diria que seu problema seja sexual, diria, talvez, que eh sua hiper sensibilidade, os sensíveis sofrem mais...Mas juntando a fala dos dois, acho que a questão é se permitir, seja lamentar-se ou gozar a vida...hj fico com a opção dois, no minuto seguinte quem sabe?

Leandro Ataide disse...

Acho legal seu ponto de vista, mas como gente como v. ligado na arte. deve sempre que observar + as cenas em sua volta. Ando pouco de baú, mas é o melhor lugar se ver o que rolando nas cabeças das pessoas. Observe as mãos e os pés dos passageiros, anote as idéias v. vai esquecer a dor, viajar na realidade.
abçs

Matheus Rufino disse...

Faço o mesmo. Mas eu simplesmente acho, acho não, acredito[!] que não fui feito pra certas coisas que outras pessoas encaram com tanta naturalidade, como pegar onibus cheio, por exemplo, haha. E jurava que já tinha comentado nesse post, porque lembro de tê-lo lido. [não que eu comente em todos que leio, mas...]