segunda-feira, 6 de junho de 2011

Eu, Robô

Há menos de uma semana pro vestibular e eu me pego com a garganta inflamada, nariz entupido, dores no corpo, coluna arrebentada, olheiras profundas, cabeça dolorida, vista cansada e febre. Fica parecendo que passei por algum tipo de tortura nos últimos quatro meses, quando tudo o que fiz foi sentar, ler, pensar, escrever e levantar. E o pior. Acho que não estudei o suficiente. Porque a gente NUNCA vai ter estudado o suficiente.

No começo do semestre, quando montei meus horários, achei que seria tranquilo estudar 10 horas por dia, dar aula particular, depender de transporte público, ser um bom namorado, ver um filme por semana, escrever em dois blogs, frequentar a igreja, cantar em coral, tocar violão... E no começo até foi. Mas dois meses depois, o seu corpo começa a gritar. E de repente você está indo pro banheiro jogar água na cara e se estapear pra ver se fica acordado até o fim da aula.

Quando faço esse tipo de programação, não sei se gosto de me iludir ou se realmente acredito que vou dar conta de tudo. A culpa é desse personagem ultra-eficiente que criei aos nove anos de idade e tomei como verdade absoluta. Um menino que consegue fazer o dia render, não aperta o botão de soneca do despertador, não cede a impulsos destrutivos e não procrastina tarefas desagradáveis. Acabei me programando como se fosse esse menino, mas vivendo como se fosse eu mesmo, ou seja, um caos.

É chato porque isso desestimula até o mais preparado dos candidatos. Você vê seus horários de estudo cheios de furos, suas apostilas em branco, seus cadernos incompletos... E acaba aceitando a triste verdade de que, mais uma vez, foi por pouco.

9 comentários:

Bárbara Ribeiro disse...

Pode parar, menino robô. Robôs são programados. Não erram. Vai dar tudo certo dessa vez.

Ana Lu disse...

Nós sempre criamos um horário que sonhamos em cumprir. Não é só com você, acredite. Eu agora faço faculdade de manhã, estágio de tarde, teatro de noite às segundas, quartas e sextas, e ainda queria enfiar uma monitoria para crianças no teatro aos sábados, e aula de tango terça e quinta a noite. Sorte que meus pais tem juízo e estão me proibindo, hahaha.
E eu sinto que vai dar tudo certo dessa vez, Gabriel.
Estou te desejando muita sorte!
Beijos

Deyse Batista disse...

Acho que nenhuma palavra que a gente diz pra alguém que está prestes a fazer um vestibular serve como estímulo ou conforto. Mais ainda assim, como você mesmo disso, já está acabando, e com certeza não serão só esses 4 meses que definirão se você entra ou não na universidade, mas sim sua vida inteira de dedicação - e tenho certeza que isso não faltou.
Toda a sorte do mundo e muita paciência com a prova - que isso sempre foi o que mais me faltou.
Aliás, vai prestar vestibular pra quê?

Beijos.

Anônimo disse...

Mais uma vez, nos recorremos aos filmes..." vida é o que acontece enquanto se faz planos" Ah, e nig estuda tudo nem mesmo o japonês mais temido ao seu lado no dia do vestibular... Bj Best

Rafa disse...

A gente sempre quer mais do que temos. Não nos contentamos somente em ter A e B. Queremos o alfabeto inteiro. Aí nos damos conta que não dá pra ter o alfabeto inteiro... Uma hora você ia ter que ceder. Tirar um tempo pro seu corpo e se concentrar somente no mais importante pode fazer bem pra ti =)

Beijos e melhoras!

Manuel disse...

Eu acho que tem muito mais pra dar certo, sim. Das últimas vezes, você fez vestibular pensando que não ia cursar. Ou voltando e ainda dominado pela confusão daquilo tudo. Isso tudo deve fazer diferença. Mas se cuida nesta semana, hein?

Gabriela Petrucci disse...

Ah, Gabriel! Para com isso, vai dar tudo certo, se Deus quiser.
Posso te dar uma dica do que eu fiz pra estudar, já que não estava conseguindo cumprir meu super cronograma?
Imprimi provas passadas e resolvi como se não houvesse amanhã. Não sei aí, mas aqui na UEM, pelo menos, as provas sempre seguem padrões. Aí eu via onde eu tava errando e dava uma revisada naquele ponto específico.
Enfim, boa prova! Porque como dizia um professor de sociologia: "sorte é quando a preparação encontra a oportunidade" e eu sei que você está bem preparado. ;)

Beijo

Amanda B. disse...

Querer fazer tudo de uma vez não é anormal, porque no fim das contas, a gente só vive uma vez e não dá pra ficar perdendo tempo com preguiça. Mas não deixe que a programação soe como obrigação. O cansaço sempre aparece e a vontade de fazer vai em níveis negativos, atrapalhando tudo :/ Tem que lembrar que um pouco de descanso também é necessário. Esfrie um pouco a cabeça e passe um dia sem fazer nada. Você pode achar que não estudou o suficiente, mas tenha um pouquinho de confiança :] É certo que alguma coisa você aprendeu no período de estudo e isso vai ajudar na hora da prova.

Boa sorte, moço.
:*

Matheus Rufino disse...

Sempre leio os outros comentários nos posts e penso que, definitivamente, tu passava melhor sem minha carga de negatividade, haha.