terça-feira, 29 de novembro de 2011

Essa Eterna Gincana

Só hoje fui perceber o quão séria é a minha mania de competição. Tudo porque de tarde passou Dirty Dancing na Globo e tinha um pessoal comentando no Twitter. E eu fui falar que "ok, Dirty Dancing é legal, mas Grease é bem melhor!". Assim, do nada. E joguei na cara de todo mundo que Dirty Dancing só tinha uma música (que na verdade é só uma apresentação em um palco), enquanto Grease é um musical de verdade. Depois fui assistir as duas partes de As Relíquias da Morte e segue meu primeiro comentário: "A parte 2 é muito interessante, mas a parte 1 é melhor".

Sabe? Isso deveria ser tratado, porque não é normal transformar tudo em gincana. Eu. Faço. Rankings. Essa é a minha função na vida. Faço ranking dos tios mais bacanas, das primas mais bonitas, dos colegas mais inteligentes, das melhores coxinhas da cidade... Porque alguém me ensinou (talvez minha família e seu particular vício por jogos de tabuleiro) que não basta ser bom. É preciso ser melhor que.

E aí que nesse fim de semana joguei Yahtzee com minha namorada e um amigo. Ela não é boa e ele nunca tinha jogado Yahtzee. E perdi. Perdi vergonhosamente.

O que me mata é que, pra eles, certeza que não fez a menor diferença. É só um jogo de dados. Já eu, tô aqui remoendo a derrota até hoje. Pra mim, não é SÓ um jogo de dados. É um jogo de dados. E isso é muita coisa.

2 comentários:

Esthéfane Moraes disse...

O "ela não é boa" me ofendeu, mas na verdade não me importo.
Só sinto muito por você de sofre à toa, por que não dá pra ganhar tudo de todos sempre ;)

MAURÍCIO FERREIRA LEITE disse...

Gostar de jogos inteligentes você aprendeu comigo, mas não querer (ou saber) perder já é algo pessoal.
Por exemplo: perder horas de sono para escrever um post no seu blog, para você, é uma grande vitória; para os seus fãs e seguidores, é só mais um excelente post para ser lido, como todos os outros que você já publicou.
Uma derrota, seja na vida ou disputa qualquer, excita meus ânimos para treinar mais arduamente e tornar-me cada vez melhor neste jogo (ou gincana), desde que o retorno de meu investimento valha o sacrifício que exerci.
Para mim, uma derrota é mais educativa e estimulante. Saber perder é mais louvável e invejável do que desejar vencer.
Parabéns pelo seu post.
Bj. do pai.