terça-feira, 19 de junho de 2012

Olhos nos Olhos


Gosto particularmente de como o universo se transforma depois de certa hora da madrugada. Não é que a nossa percepção do mundo fique alterada, mas é que o próprio mundo vai se alterando e se revelando todo cheio de percepções sobre nós. E o silêncio é tanto que qualquer um pode ouvir meus pensamentos, vagando pelas cobertas
. E depois das 3 eles eclodem como berros, acordando o Caetano no quarto ao lado.

Às vezes vou pra cama com uma música, pra abafar as memórias, e elas sempre me parecem bem mais reveladoras quando sussurradas no meio da noite. Saem do fone de ouvido feito lanças, furam meus tímpanos e jogam ali dentro todas aquelas verdades inconvenientes que a gente cria pra encaixar uma canção aleatória na vida da gente. Pra ver se consegue explicação pra esse tanto de erro absurdo e infantil.

Ontem perdi alguns minutos ouvindo uma coletânea da Maria Bethânia e encontrando milhares de respostas, concordando com quase tudo e sofrendo mais que o normal por umas letras bobas, quase cafonas. Percebi  como Tatuagem é linda, como Explode Coração é pornográfica, como é difícil dormir depois de Minha História e como Olhos nos Olhos é a coisa mais cruel que o Chico já escreveu.

5 comentários:

Anônimo disse...

Feliz Aniversário pro maior gênio da música brasileira.

Isadora disse...

Minha mãe mora no interior e a coisa que eu mais gosto é sentar na varanda de madrugada e ficar ouvindo aquele silêncio quase pesado


ass: "aquela menina da foto bonita espelho"

Cat Campos disse...

Ah, a música é poderosa. Fui ler a letra de Explode coração e é bem pornográfica mesmo :O
Mas melhor mesmo é aquela música que você sabe a letra, canta toda, mas nem liga muito. Aí, um dia que você para pra prestar atenção vê que ela diz exatamente sobre o que você tá passando. Parece bruxaria rs.
Beijos.
http://blogdoceilusao.blogspot.com.br/

Akire Anitsirk disse...

Não sou muito de ouvir mpb por achar sem graça, prefiro rock, às vezes pesado principalmente quando estou pra baixo, me anima muitíssimo.

Valéria disse...

Primeiramente, tenho que dizer que você escreve muito bem, e me identifico bastante com os seus textos, principalmente esse. Senti que você descrevia minha madrugada, talvez a de qualquer pessoa cheia de memorias. Tatuagem é a despedida mais cruel que eu já ouvi, e consegue ser eternamente linda. Espero que você nunca deixe de escrever. Beijos.